Amamos a Saga Crepúsculo, porem quando Stephenie Meyer encerrou a história ficou um grande vazio... Como em minha mente os personagens estão vivos decidi dar vida a alguns deles Incluindo o filho de Renesmee e Jacob Black, Vulgo Billy cullen Black!! ! !

terça-feira, 12 de julho de 2011

Chassaient 37ª _ Parte









Sentia o ar me faltar, ela me olhava de um jeito diferente, era tão intenso, era selvagem descontrolado, sua mão apertava meu pulso, e machucava, ela não parava de me olhar, e eu me sentia preso como que grandes correntes invisíveis e não era como um impriniting que eu desejava aquela sensação, era medonha, assustadora a sensação de estar presso, de estar frágil diante de outro ser, eu não queria admitir mais eu era a caça dessa vez
_ Elizabeth _ Gritou harvey, mas ela se mexeu se movendo na cama 
_ Sai _ a voz dela saiu autoritária e Harvey simplesmente voou quebrando parte da parede de madeira, o vento frio entrou furioso a nevasca havia piorado e via meus parentes meio agachados pareciam sofrer e isso me agitou
_ Para Elizabeth _ mandei, ela nem parecia me ouvir, eu tentei segura-la mas ela foi mais rápida e me pegou pelo outro braço, eu tentei  me mover e sair mas não consegui pois ela me manipulava me mantinha preço, ela sorriu com meu desespero e eu me angustiava pois não via minha menina ali agora, ela sorriu mais e se levantou me soltou mais eu não podia me mexer, ela fechou os olhos e pôs as mãos na cabeça
_ Sai daqui Billy _ gritou ela e minha família se ergueu, uma baforada de vento frio veio e ela tremeu fraca caindo no chão
_ Ellis _ Disse dando um passo na direção dela, ela voou em mim, como uma pantera feroz e me jogou tão forte que eu ultrapassei a parede de madeira e ela estavam as correntes invisíveis de novo e eu cai no chão cheio de neve feito um pedaço de pedra num único e abafado choque com o chão, ouvia os passos dela tranquilos como se me analisasse, minha respiração era arfante, ela chegou bem perto podia ver seu rosto selvagem seus olhos sedentos, ela tremeu e eu pude me mexer  me ergue dessa vez e a segurei pelos braços fortemente, ela abriu os olhos e gargalhou, se soltou como se eu fosse o mais fraco dos seres e me lançou longe, eu me mexi aterrizando em pé e não sentia a presença dela, quando ela  pegou me pelo pescoço, novamente me sentia dominado e amarrado, ela respirou fundo arfante, ela sorria e seus olhos cintilavam, ela arrancou minha camisa e eu pudia ver um leve aranhão no meu abdomem, não saia sangue algum pois tinha genes poderosos de cura dentro de mim, ela sorriu e me empurrou eu cai de novo, e ela dessa vez saltou ficando agachada ao meu lado, ela olhava o meu aranhão e se aproximou, respirando fundo, ela respirava com um animal sedento e tocou o aranhão, primeiro com palma da mão depois com a unha e ai senti a dor, nunca tinha sentindo nada igual na minha vida, era como uma ácido corroendo minha carne a unha dela me feria de um jeito que nada mais no mundo poderia ferir, ela chegou bem perto, seus dedos melados com meu sangue e ela foi levando um deles para a boca, mas parou do nada, sem tremor, sem aparentemente dor, sem nada, ela só parou e se afastou de mim num pulo, parando a uma distancia segura, ao menos para mim, a cicatriz começou a se formar em meu abdômem e ela estava lá sentada as mãos no colo, seu olhar era sereno, seu rosto gentil e havia um leve sorriso na sua face


       
 eu a olhava amedrontado, o que estava havendo com ela? 
_ Nunca tocarei no seu sangue, jamais farei isso, não importa quão desesperada esteja, ande vá, saia daqui, agora eu via perfeitamente que seu sorriso era sofrido e uma lágrima deslizou pela sua face, o medo deu lugar a angústia de ver a "minha pequena" sofrendo, pois ela era a minha menina, me mexi_ Pare por favor_ implorou ela _ assim me machuca _ disse ela chorando_ doí muito, não quero, não quero por favor_ implorou ela se abraçando e deitando na neve de costas pra mim, eu me aproximei vendo-a tremer e se apertar a cada passo meu, a cada milimetro de aproximação
_ Ellis? _ eu a chamei, não queria assusta-la mesmo sabendo que ela podia sentir cada passo meu
_ Não Billy, não posso, fazer isso, olha o que eu fiz na sua barriga, olha o que eu fiz com nossa família _ dessa vez foi eu que tremi ela nunca tinha chamado minha família de sua, isso era bom de se ouvir
_ Eles estão bem, eu estou bem, não me machucou
_ Não minta pra mim _ gritou ela furiosa _ pegando me pelo pescoço, mas arfou e cruzou os braços as lágrimas se apossaram em seus olhos, seu coração trepidou descompassado e ela chorou_ viu no que me tornei, num mostro, não consigo me controlar _ disse ela num sussurro
_ Meu amor, consegui sim _ eu a toquei e ela tremeu, e se agachou na minha frente 
_ Para, está me... _ ela respirava fundo, seus decaíram em mim, ela foi se aproximando, meu corpo tremeu, ela ia me atacar de novo, esperei uma pancada, um empurrão, mas ela me cheirou, do peito ate o pescoço, como uma pantera, ela tocou meu peito enquanto cheirava meu pescoço e eu senti meu corpo  se arrepiar inteiro, era uma mistura feros de medo e desejo, ela sentou em meu colo e pegou-me com uma força desmedida, apertando minhas costas e puxando meu cabelo grande, fazendo minha cabeça se mover enquanto seu nariz deslizava pela minha pele
_ Que saudade Ellis _ Sussurrei fraco, não me importava com a sua força desmedida, isso não me afetava realmente, era ate bom
_ Billy, não brinque, não vê que estou descontrolada _ disse ela, me acariciando a barriga, eu não resisti e gargalhei, não sei o que estava acontecendo comigo, eu estava com medo de passar do limite e   acabar fazendo ela se descontrolar mas eu gostava dessa sensação entre o medo e o prazer, isso mexia comigo
_ Seu monstrinho _ disse ela me beijando o pescoço, eu tremi e muitas sensações me invadiram nessa hora, não pude em conter
A peguei e a beijei não existe no mundo sensação tão incrível como essa, era uma nova sensação que em preenchia, era perigosa, era proibida, era única, como nós dois eramos, únicos, apesar de suas mudanças, ainda era ela,  

Não, Tempo, não zombarás de minhas mudanças! 
As pirâmides que novamente construíste
Não me parecem novas, nem estranhas; 
Apenas as mesmas com novas vestimentas.
William Shakespeare

*Titulo, significado: Caçado 
*Desculpa a música talvez essa combinação não tenha encaixado tão bem




7 comentários:

  1. Olá espero que gostem, esse capitulo dedico a minha amiga Soraya que nunca me abandona e ta comigo desde o ínicio ^^
    bjo flor


    http://www.facebook.com/profile.php?id=100001677020362

    link do facebook, valeu Soraya !!!!

    ResponderExcluir
  2. ameei ameei ii ameei!

    ResponderExcluir
  3. Adorei!!Jessica,valeu pela homenagem!!!
    Fiquei emocionada!!!
    Gosto muuuuuuito dessa fic.
    Consigo sempre me imaginar na saga.
    Lindoooooooooooooo!!!´
    E é sempre surpreendente.
    Nunca me arrependo de esperar!!!
    Beijocas mil.

    ResponderExcluir
  4. esse é o final da fic?

    ResponderExcluir
  5. Não, esse não é o fim da fic, irei postar um capitulo amanhã

    ResponderExcluir
  6. Oi sou eu de novo estou super ansiosa para ler mais da fic, mas axo que estou com problemas mo pc não consigo ler o cap 38...Me ajude quero muito ler!!!!!!!
    Adoro como vc escreve!!!!

    ResponderExcluir
  7. Lidi querida, só temos ate o capitulo 37, como vc quer ler o 38? kkkkk Olha vou postar hoje o 38, sei que estou devendo eu disse que ia postar sábado, mas minha vida ta uma correria, mas eu vou postar hoje, beijos ate mais

    ResponderExcluir